Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ifam.edu.br/jspui/handle/4321/267
Tipo: Trabalho de Conclusão de Curso
Título: Recursos hídricos do sub-ramal do Rufino na colônia Agrícola joão paulo – Puraquequara – Manaus – AM.
Autor(es): Mendes, Antonio Carlos Da Rocha
Primeiro Orientador: Azevedo, Gracilene Fernandes da Costa
metadata.dc.contributor.referee1: Azevedo, Gracilene Fernandes da Costa
metadata.dc.contributor.referee2: Nascimento, Helena Cristina Santos
metadata.dc.contributor.referee3: Alves, Ana Suzette da Silva Cavalcante
Resumo: O presente trabalho tem como concepções o estudo sobre a importância da preservação e conservação dos recursos hídricos em nascentes. O trabalho foi realizado na comunidade agrícola do sub-ramal do Rufino na Colônia Agrícola João Paulo, localizado no bairro do Puraquequara – Manaus. O objetivo do trabalho foi diagnosticar a partir dos levantamentos dos problemas ambientais as possíveis consequências das alterações nas nascentes causadas por diversos fatores no meio ambiente. As informações e as coletas dos dados ocorreram durante todo o ano de 2014. Para o desenvolvimento da pesquisa utilizou-se como procedimentos metodológicos o levantamento bibliográfico disponível sobre a área de estudo. Dentre as técnicas empregadas para a coleta dos dados está às visitas “in loco” e também a utilização de câmara fotográfica para registrar os impactos ambientais nas nascentes. Foram identificadas quatro nascentes, classificadas em duas categorias: nascente em bom estado de preservação - aquelas que apresentaram cobertura vegetal e ausência de fatores de impacto ambiental e a nascente degradada - aquela onde a cobertura vegetal estava ausente e onde há presença de fatores de degradação ambiental. Para os moradores da comunidade Colônia Agrícola João Paulo a água das nascentes servem para varias atividades, como: o abastecimento das barragens para a criação de peixes como o tambaqui (Colossoma macropomum), matrixã (Brycon sp) e pirarucu (Arapaima gigas), servem também para a irrigação de plantios na agricultura familiar. Na nascente degradada os resultados mostraram o assoreamento no entorno da nascente e dos córregos; a ausência da cobertura vegetal e da fauna; o descarregamento do solo e as alterações na qualidade e quantidade da água. Concluise, que os impactos causados pelas atividades no entorno das nascentes ocasionaram um desiquilíbrio ecológico. Para diminuir esses danos é necessário o monitoramento das nascentes, evitando assim, os diversos tipos de poluição na dinâmica da natureza. Portanto, com as informações obtidas na presente pesquisa, sugere-se a elaboração de novos trabalhos sobre a área estudada, com a execução de programas voltada para o reflorestamento e revitalização da gestão dos recursos hídricos.
Abstract: The present work is to study the conceptions about the importance of preservation and conservation of water resources in springs. The work was carried in the agricultural community of Rufino sub-station in Cologne Agricultural João Paulo, located in the neighborhood of Puraquequara - Manaus. The objective was to diagnose from surveys of environmental problems the possible consequences of changes in the springs caused by various factors in the environment. The information and data collections occurred during the entire year of 2014. For the development of research used as methodological procedures the bibliographic survey available on the area of study. Among the techniques used for data collection is on-site visits and also the use of camera to record environmental impacts on springs. Were identified four sources, classified into two categories: spring in good state of preservation - those that had vegetation cover and absence of environmental impact factors and degraded spring - one where the vegetation was absent and where there is the presence of environmental degradation factors. For residents of Agricultural Colony community João Paulo the spring water serve for various activities, such as the supply of dams for fish farming as the tambaqui (Colossoma macropomum), matrixa (Brycon sp) and pirarucu (Arapaima gigas) serve also for irrigation of plantations in family farming. In spring degraded the results showed silting surrounding the spring and streams; the absence of vegetation and fauna; soil discharge and changes in water quality and quantity. It follows that the impacts caused by the activities surrounding the springs caused an ecological imbalance. To reduce such damage monitoring of springs is necessary, thus avoiding the various types of pollution in the dynamics of nature. So with the information obtained in this study, we suggest the development of new work on the study area, with the implementation of programs focused on reforestation and regeneration of water resources management. Key-Words: Natural Resources. Environmental impact. Springs.
Palavras-chave: Recursos naturais
Impacto ambiental
Nascente
CNPq: CNPQ::CIENCIAS AGRARIAS
Idioma: por
País: Brasil
Editor: Instituto Federal do Amazonas
Sigla da Instituição: IFAM
Tecnologia em Agroecologia
IFAM
Tecnologia em Agroecologia
metadata.dc.publisher.department: Campus Manaus Zona Leste
Citação: REFERÊNCIAS ALMEIDA, F. C. P. Alteração da qualidade ambiental no entorno do rio Quipauá no município de Ouro Branco (RN). 2010. 43 f. Monografia apresentada à Universidade Federal de Campina Grande, Campus de Patos/PB, para conclusão do Curso de Engenheiro Florestal. 2010. ANDRADE, R. F. C. Ribeirinhos urbanos: Vidas e Modos de Vida no Puraquequara. Manaus: Edua, 2013. ARAÚJO. G. M. Degradação dos recursos hídricos da bacia hidrográfica do igarapé mata fome, Belém-Pa: Uma consequência do processo de urbanização. 2007. 47 f. Monografia apresentada ao Centro Sócio Econômico da Universidade Federal do Pará como requisito final ao titulo de bacharel em Serviço Social. Belém, 2007. ÁVILA, J. L.T.; MONTE-MÓR, R. L. M. Urbanização e impactos ambientais: uma análise da relação entre as características dos espaços urbanos e a poluição hídrica na região do Médio Rio Doce (MG). In: VII Encontro da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica, Fortaleza, 2007. BARBIERI, J. C. Os problemas ambientais. 2002. Congresso da CLADEA – Consejo Latino americano de Escuelas de Administración, 2002. BARBOSA, L. M. Implantação de mata ciliar. In: Simpósio Mata Ciliar Ciência e Tecnologia, 1999, Belo Horizonte, 1999, p.111-135. BORGES, M. G. M.; SANTOS, E. C. Educação ambiental como articuladora para a gestão ambiental do território: A preservação das nascentes do igarapé do Mindu – Manaus. Revista Geonorte, v.3, n.4, p. 114-126, 2012. BORELLI, E. Urbanização e qualidade ambiental: o processo de produção do espaço da costa brasileira. Revista Internacional, Interdisciplinar, v. 4, n.1, p. 1-27, 2007. BRASIL. RESOLUÇÃO CONAMA. Lei n 9.433/1997. Da Política Nacional de Recursos Hídricos. Disponívelem: <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=370>. Acesso em: 10/01/2015 BRITO, F. A.; PINHO, B. A. T. D. Dinâmica do processo de urbanização no Brasil, 1940- 2010. Belo Horizonte: UFMG/CEDEPLAR, 19 p. 2012. CALHEIROS, R. O. et al. Preservação e recuperação das nascentes de água e de vida. 2.ed. São Paulo : SMA, 2006. Disponível em: <http://ambiente.sp.gov.br/mataciliar>. Acesso em: 14/12/2014. CARVALHO, C. M. A construção da gestão e educação ambiental dos recursos hídricos na pecuária familiar do Alto Camaquã. Revista Monografias Ambientais, v.13, n.5, p. 4019- 4027, dez. 2014. 28 CASTRO, P. S.; LOPES, J. D. S. Recuperação e conservação de nascentes. Viçosa: Centro de Produções Técnicas, 2001 (Série Saneamento e Meio- Ambiente). CRISPIM, J. Q. et al. Conservação e proteção de nascentes por meio do solo cimento em pequenas propriedades agrícolas na bacia hidrográfica rio do campo no município de Campo Mourão – PR. Revista Geonorte, v. 3, n.4, p. 781-790, 2012. CRUZ, M. J. M. Territorialização camponesa na Várzea da Amazônia. 2007. 251f. Tese (Doutorado em Geografia Humana), Universidade de São Paulo, São Paulo. 2007. DAMASCENO, S. B. Uma Experiência Amazônica de gestão dos recursos hídricos: A criação do Comitê de Bacia Hidrográfica do Rio Tarumã-Açu, Manaus-AM-Brasil, 2010. FELIPPE, M, F.; MAGALHÃES JUNIOR, A. P. Impactos ambientais macroscópicos e qualidade das águas em nascentes de parques municipais em Belo Horizonte -MG. Revista Geografias, v. 8, n. 2, p. 08-23, jul-dez. 2012. FELIPPE, M. F.; MAGALHÃES JUNIOR, A. P. Consequências da ocupação urbana na dinâmica das nascentes em Belo Horizonte - MG. In: VI Encontro Nacional sobre Migrações, Belo Horizonte. Anais de Belo Horizonte: ABEP, 2002, 19 p. FELFILI, M. C.; FELFILI, J. M. Diversidade alfa e beta no Cerrado sensu stricto da Chapada Pratinha, Brasil. Acta Botânica Brasil, v. 15, n. 2, p. 243-254, 2001. FERREIRA, A. R. A. S. Gestão de Recursos Hidricos no Estado do Amazonas: Uma Analise Comparativa. Rio de Janeiro - 2008 FONSECA A.; SOUZA J. C.; VERÍSSIMO A. Boletim do desmatamento da Amazônia Legal, Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD). Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (IMAZON), Belém, Pará, p. 10 2014. GÊNOVA, K. B.; HONDA, E. A.; DURIGAN, G. Processos hidrológicos em diferentes modelos de plantio de restauração de mata ciliar em região de Cerrado. Revista do Instituto Florestal, v. 19, n. 2, p. 189-200, 2007. GERBER, L. M. D. Outorga do direito de uso da água. Revista da Escola de Direito, Pelotas, v. 3, n. 1, p.141-218, 2002. GUERRA, A. T. Recursos naturais do Brasil/ Antônio Teixeira Guerra. 3 ed. /Rio de Janeiro: IBGE, 1980. 220p. Guimarães, D. O.; Pereira, L. C. C.; Monteiro, M. C.; Costa, R. M. Aspectos Sócioeconômicos e Ambientais das Comunidades Rurais da Bacia Hidrográfica do Rio Caeté (Pará-Brasil). Revista da Gestão Costeira Integrada, v.9, n. 2, p.71-84, 2009. HERNANI, L. C. O. Manejo e conservação de solo e de água. Revista Ação ambiental. Revitalização de Rios: Área Rural. Editora da Universidade Federal de Viçosa. 2003. 29 HORA, K.E.R. et al. Gênero e Gestão Integrada dos Recursos Hídricos e Saneamento: aproximações a partir da realidade caboverdiana e brasileira. Anais do VI Encontro Nacional da ANPPAS. Belém, 2012. v. 1. p. 1-15. KRESSE, K. Água potable y saniamento: Los advances en los últimos años son insuficientes. Desenvolvimento e Cooperação. Berlin,1997. LIMA, J. F. S.; ROSA, C. L. S.; LUCAS, A. A.T. Aspectos sócioambientais da nascente do Rio da Aldeia- Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba/SE. In: VI Encontro de Recursos Hídricos em Sergipe - 19 a 22 de março de 2013, Aracaju-SE. MACIEL, A. A. et al. Interfaces da gestão de recursos hídricos e saúde pública. In: Muñoz, H. R. (org). Interfaces da gestão de recursos hídricos: desafios da lei das águas de 1997. 2. ed. Brasília: Secretaria de Recursos Hídricos, 2000. 68-90p. MAIA, F. F. C. et al. Avaliação dos Impactos Ambientais em Nascentes Urbanas do Município de Passos, São Lourenço – MG, 2011. MALAQUIAS, G. B.; CÂNDIDO, B. B. Avaliação dos impactos ambientais em nascentes do munícipio de Betim, MG: Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, vol.3, n. 2, 2013. MARTURANO, E. S. Mineração na Amazônia e impactos na nascente da micro bacia do Rio Água Boa em Juruti. Revista Geonorte,v.3, n.4, p. 1093-1104, 2012. MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE (MMA) - Política de Água e Educação Ambiental: Processos dialógicos e formativos em planejamento e gestão de recursos hídricos – 3. ed. 2013. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/publicacoes/agua/category/42-recursoshidricos>. Acesso em: 01/02/2015. MOTA, S. Preservação e conservação de recursos hídricos. 2. ed. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – ABES, 1995. MOURA, B. F. et al. Educação ambiental: um olhar sobre comunidades quilombolas na Região Central do Rio Grande do Sul. Revista monografias ambientais, v. 1, n. 1, p. 60-69 2010. NASCIMENTO, M. V. É. do; ALMEIDA, E. A. de. Importância da realização de trilhas participativas para o conhecimento e conservação da diversidade biológica: uma análise da percepção ambiental. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 23, 2009. NETA, R. L. M.; SOUZA, J. A. C. F. DE; FERREIRA, M. L. M. Uma análise socioambiental do sítio Amaro em Palmeira dos Índios/AL, a partir da intervenção do projeto de recuperação de nascentes. In: VI Colóquio Internacional “Educação e Contemporaneidade”. São Cristóvão – SE, 20 a 22 de setembro de 2012. NEVES, K. B. L.; SILVA, J. S.; ROTUNNO FILHO, O. C. Proposta para avaliação da relação espacial entre doenças hídricas e inundações por meio de imagens de radar JERS-1. 30 Estudo de Caso: Rio Madeira, Rondônia. In: XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Goiânia: Anais. Goiânia: INPE, 2005. p.16-21. OLIVA JÚNIOR, E. F. de. Os impactos ambientais decorrentes da ação antrópica na nascente do Rio Piauí - Riachão do Dantas/SE. Revista Eletrônica da Faculdade José Augusto Vieira. Ano V – n.7, p. 1983-1285, set. 2012. OLIVEIRA, M. A.DE.; GOMES, E. R. Diagnóstico ambiental das nascentes do rio parafuso, em Pedro II, Piauí. III Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Goiânia/GO – 19 a 22/11/2012. IBEAS – Instituto Brasileiro de Estudos Ambientais. PARANHOS FILHO, A. C. et al. Análise do impacto da ação antrópica sobre uma nascente do rio Água Grande (Ubiratã – PR.) através de imagem de satélite Cbers, - Goiânia, 2005. PAZ, F.N.V.; PAIVA, J. A. Levantamento dos possíveis impactos ambientais pela ação antrópica nos córregos Jenipapo E Cará no município de Aragominas - TO. Educação, Gestão e Sociedade: Revista da Faculdade Eça de Queiros, n. 4, 2011. PEREIRA, A. R.; ZÊRERE, J. L.; MORGADO, P. Os Recursos Naturais em Portugal: Inventariação e Proposta de um Modelo Geográfico de Avaliação. Centro de Estudos Geográficos – Universidade de Lisboa, Lisboa, 2005. PEREIRA, R. S. Identificação e caracterização das fontes de poluição em sistemas hídricos. Revista Eletrônica de Recursos Hídricos, v.1, n.1. p. 20-36. 2004. PINTO, L. V. A. et al. Estudo das nascentes da bacia hidrográfica do Ribeirão Santa Cruz, Lavras, MG. Scientia Forestalis, n. 65, p. 197-206. 2004. PLANO NACIONAL DE RECURSOS HIDRICOS, de 15 de setembro de 2010. Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Da Política Nacional de Recursos Hídricos. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/agua/recursos-hidricos/plano-nacional-de-recursos-hidricos>. Acesso em: 10/01/2015. REBOUÇAS, A. da C.; BRAGA, B.; TUNDISI, J. G. Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação/ organizadores. 3. ed. – São Paulo: Escrituras Editora, 2006. RESENDE, H. C. et al. Diagnóstico e ações de conservação e recuperação para as nascentes do córrego-feio, Patrocínio, MG. Bioscience Journal, v. 25, n. 5, p. 112-119, 2009. RICHARDSON, R. J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3.ed. São Paulo: Atlas: 1999. ROBERTI, H. M.; GOMES, E. R.; BITTENCOURT, A. H. C. Estado de conservação das nascentes no perímetro urbano da cidade de Muriaé-MG. Revista Científica da Faminas, v. 4, 2008. ROCHA, J. M. A gestão dos recursos naturais: uma perspectiva de sustentabilidade baseada nas aspirações do “lugar”. 2000. Disponível em: <http://www.anppas.org.br/encontro_anual/encontro1/gt/conhecimento_local/Jefferson%20M arcal%20da%20Rocha.pdf>. Acesso em: 16/09/2014. 31 ROCHA, R. R. A.; MARTIN, E. S. Análise preliminar do estado ambiental do córrego Água da Lavadeira, Rancharia-SP: Análise física e química da Água. Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros, v. 2, n. 2, p. 116-130, 2005. ROCHA, et al. Recursos hídricos. São Paulo, 2011. 106 p. RODRIGUES, A. S. L.; MALAFAIA, G.; CASTRO, P.T. A. A importância da avaliação do habitat no monitoramento da qualidade dos recursos hídricos. Revista de Saúde e Biologia, v. 5, n.1, p. 26-42, 2010. SACRAMENTO, M. F.; REGO, M. J. M. A bacia de drenagem enquanto unidade integradora nos estudos geoambientais. In: VI Simpósio Nacional de Geomorfologia/Regional Conference on Geomorphology. Goiânia, 2006. SANTILLI, J. F. R. A Política Nacional de Recursos Hídricos (LEI 9.433/97) e sua implementação no Distrito Federal. Rev. Fund. Esc. Super. Minist. Público Dist. Fed. Territ. v. 17, p. 144-179, 2001. SANTOS, I. S.; MOREAU, M. S. Poluição dos recursos hídricos e saneamento básico no bairro Nossa Senhora da Vitória, Ilhéus-BA. In: I Seminário Nacional de Geoecologia e Planejamento Territorial e IV Seminário do GEOPLAN. 2012. SETTI, A. A. et al. Introdução ao gerenciamento de recursos hídricos. 2. ed. – Brasília: Agência Nacional de Energia Elétrica, Superintendência de Estudos e Informações Hidrológicas, 2000. 207 p. SILVA. M. GEO Brasil: Recursos hídricos: Ministério do Meio Ambiente; Agência Nacional de Águas; Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Brasília: MMA; ANA, 2007. SILVA, G. L. M.; SILVA, D. P. L. da.; SILVA, S. P. da. Avaliação dos impactos ambientais negativos ocorridos nas nascentes do rio Gruna / estudo de caso no município de Senhor do Bonfim-BA. In: IV Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental, Salvador/BA, 2013. SIMÕES, L. B. Integração entre um modelo de simulação hidrológica e sistema de informação geográfica na delimitação de zona tampão riparia. 2001. 177p. Dissertação (Mestrado em Agronomia), Universidade Estadual de São Paulo, SP. SOARES, A. B. Problemática Socioambiental urbana na nascente Pau Amarelo em Garanhuns-PE. 2013. SOUSA, et al. Caracterização ambiental da nascente de Caririmirim, Moreilândia-PE. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17, p. 2725, 2013. SOUZA, I. C.; SODRÉ, F. S. S.; SODRÉ, R. M. A. Reflorestamento da nascente que abastece a lagoa buriti comunidade São Fabiano-MT, faixa de fronteira Brasil/Bolivia. In: Congresso de Iniciação Científica, 2013, Cáceres/MT. Anais, Cáceres: 2013. 32 TEIXEIRA, A. C. O. et al. Caracterização física e socioeconômica da bacia hidrográfica do Rio Gongogi, Bahia. Caminhos de Geografia, v. 13, n. 43, p. 293–310, 2012. TORRES, P. L. Uma leitura para os temas transversais: ensino fundamental. Curitiba: SENAR – PR, 2003. 620 p. TUCCI, C. E. M.; HESPANHOL, I.; NETTO, O. M. C. A gestão da água no Brasil: uma primeira avaliação da situação atual e das perspectivas para 2025. Janeiro/2000. VALENTE, O. F.; GOMES, M. A. As Nascentes e os Rios. Revista ação ambiental. Revitalização de Rios: Área Rural. Editora da Universidade Federal de Viçosa, 2003. WOLKMER, M. F. S.; PIMMEL, N. F. Política Nacional de Resíduos Hídricos: Governança de água e cidadania ambiental. In: Cunha, B. P.; Augustin, S. (org.). Resíduos hídricos. Diálogos de direito ambiental brasileiro: volume 1,Caxias do Sul: Educs, 2012. 33 ANEXOS ANEXO A - Parâmetros utilizados para caracterizar os impactos ambientais no entorno das nascentes. Fonte: Felippe e Magalhães Junior (2012). ANEXO B - Mapa da área de estudo do Ramal do Rufino. Parâmetro Qualificação Ruim Médio Bom Cor da água Escura clara Transparente Odor da água Forte com odor não há Lixo ao redor da nascente Muito pouco não há Materiais flutuantes (lixo na água) Muito pouco não há Esgoto na nascente visível provável não há Vegetação degradada ou ausente alterada bom estado Usos da nascente constante esporádico não há Equipamentos urbanos a menos de 50 metros entre 50 e 100m a mais de 100m Figura 02: Localização das nascentes na área de estudo do Ramal do Rufino. Os pontos 1,3, e 4 correspondem as nascentes em bom estado de preservação; o ponto 2 corresponde a nascente degradada. Fonte: Imagem obtida a partir do Google Earth, 2014.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.ifam.edu.br/jspui/handle/4321/267
Data do documento: 26-Fev-2015
Aparece nas coleções:GRAD CMZL – Trabalhos de Conclusão de Curso

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
TCC_Antonio_FINAL.pdf3,71 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.